Na Espanha, a metade dos homens é diagnosticada com alopecia depois de chegar aos 50 anos de idade. Uma porcentagem que aumenta gradualmente, conforme indicado por vários estudos recentes que quantificam o total afetado por este problema em 60% aos 60 anos de idade, em mais de 70% aos 70 anos de idade e 80% aos 80 anos de idade. Contudo, é durante a adolescência que muitas pessoas começam a sofrer as consequências de uma doença que começa a ficar visível através da perda de densidade capilar, e que irá posteriormente se tornar uma queda progressiva e indiscriminada de folículos capilares e finalmente levar à emergência da primeira calvície. A calvície, se não for tratada, pode se espalhar para toda a superfície do couro cabeludo, então é vital se colocar nas mãos de um especialista em saúde capilar ao menor alerta que exponha uma queda incomum de cabelos na rotina diária. Tendo dito isto, vejamos quais são os tipos mais comuns de alopecia masculina entre homens de todas as idades. Atualmente, a comunidade médica classifica cerca de uma centena de alopecias diferentes a qual todos estamos expostos. Alopecia androgenética Esta é a mais comum entre os homens, representando a grande maioria dos casos que passam todos os dias por clínicas especializadas em saúde capilar. Especialmente difundida entre os homens, ela normalmente se desenvolve aos 30 anos de idade; momento no qual aqueles que sofrem dela começam a notar como seus cabelos crescem cada vez mais fracos e em menor quantidade, até finalmente começar a cair sem nova regeneração. Normalmente ela começa a se desenvolver na coroa e nas áreas das entradas, para depois se espalhar para outras áreas do couro cabeludo. Alopecia difusa Este tipo de alopecia começa a crescer em qualquer parte do couro cabeludo, estendendo-se, se não for curada antes, para ocupar o cabelo inteiro. Pouco a pouco, o cabelo cresce mais fraco e mais devagar, até que ele para de crescer onde a alopecia aparece. Alopecia areata Este tipo de alopecia é a segunda mais comum entre os homens. Ela também é a que aparece numa idade mais precoce, sendo comum que adolescentes e rapazes na casa dos vinte visitem clínicas depois de perceberem uma queda de cabelos em algumas áreas específicas. Embora em muitos casos ela apareça como resultado de uma herança, em outros ela aparece como consequência de estresse ou ansiedade. Quando isso ocorre, basta analisar a raiz do problema e solucioná-lo para repovoar a área afetada. Alopecia cicatricial Este tipo de alopecia aparece como consequência de uma doença, ou tratamento ou um ferimento. Nestes casos, a cicatriz deixada para trás pela doença danifica os folículos e suas áreas de crescimento no couro cabeludo. Alopecia fibrosante Este tipo de alopecia é mais comum em mulheres do que em homens, embora ela também possa ocorrer em alguns homens. A causa desta alopecia é a alteração hormonal e a maneira como ela se apresenta, a queda progressiva de cabelos, acontece maioritariamente na área frontal. Esta é a alopecia que avança mais lentamente, requerendo o uso de tratamentos de fortalecimento para impedi-la. Quando isso não é o bastante, assim como ocorre com o resto das alopecias, a melhor solução é optar por um transplante capilar. Além dessas alopecias, é preciso destacar que alguma calvície aparece junto com traumas ou doenças raras então, mais uma vez, nós insistimos na necessidade de nos colocarmos nas mãos de profissionais em medicina imediatamente depois de vermos que no travesseiro, ao nos pentearmos ou no chuveiro a quantidade de cabelos se soltando do couro cabeludo é muito maior do que o comum. Quero dizer, maior do que aqueles 100-150 folículos que nós perdemos e regeneramos diariamente.

Como pôr um fim na alopecia masculina

Não importa qual alopecia foi diagnosticada, é importante que você saiba que há uma solução para o seu problema. Isso, é claro, irá depender não só do tipo de alopecia que você tem, mas do grau do seu crescimento e da velocidade com a qual você começa a pôr um fim nela através de tratamentos, intervenções e cuidados que lhe serão recomendados quando você for pedir ajuda a um centro médico. E embora haja pessoas que, alterando seus medicamentos, modificando sua dieta, diminuindo seus níveis de estresse ou ansiedade ou usando algum tipo de remédio caseiro, conseguem melhorar sua imagem significativamente, a verdade é que a vasta maioria precisa passar por um tratamento regenerativo ou uma operação de transplante capilar para recuperar sua imagem após uma alopecia. Neste aspecto, é preciso destacar a grande ajuda de tratamentos como aqueles que dependem de células-tronco para regenerar os folículos capilares, fortalecer o cabelo e causar o nascimento de unidades foliculares que haviam parado de nascer através do enriquecimento do plasma sanguíneo. Um tratamento onde o sangue do próprio paciente é oxigenado para primeiro beneficiar a circulação e depois, a nutrição do folículo, que combinado com enxertos capilares oferece soluções para a vida toda. Se há uma solução rápida e definitiva, essa seria o transplante capilar – através de um enxerto capilar de unidades foliculares de uma área doadora para uma área receptora onde o cabelo havia parado de crescer – para repovoar o couro cabeludo. Uma coisa que é possível alcançar numa única sessão e com resultados para a vida toda graças ao desenvolvimento da técnica FUE, que é realizada pelos melhores centros de saúde capilar. Como você pode ver, além da sua alopecia e do quanto ela se desenvolveu, deixar de ser calvo é possível e você só precisa ir a um hospital especializado neste tipo de intervenção para colocar um fim definitivo.
Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Contactar      644 713 228